DRENAGEM LINFÁTICA

A drenagem linfática é um conjunto de técnicas usadas para drenar e limpar o sistema linfático, estimulando-o a trabalhar em um ritmo mais acelerado, mobilizando a linfa até os gânglios linfáticos. A drenagem linfática também estimula a regeneração dos tecidos, melhora o sistema imunológico, promove o relaxamento do corpo, combate a celulite e a gordura localizada e ainda melhora. No uso clínico, este é um ótimo recurso no alívio de inchaços e hematomas relacionados a lesões ortopédicas ou pós-cirúrgicos. É muito comum que a drenagem linfática seja associada à fisioterapia oncológica.

O sistema linfático é uma rede complexa de vasos que movem fluidos através do corpo, estes fluidos são responsáveis por transportar as toxinas e resíduos metabólicos para longe das áreas saudáveis, além de trazer substâncias e células de defesa para as áreas que estão lutando contra infecções. Apesar do fluido se mover lentamente através do sistema linfático, ele não tem o seu próprio mecanismo de bombeamento. É neste momento que entra em ação a drenagem linfática.

A drenagem linfática pode se resumir em quatro tipos de intervenção: drenagem linfática manual, pressoterapia, enfaixamento compressivo e contenções elásticas (meias ou luvas compressivas sob medida). A drenagem linfática manual é o recurso  mais conhecido, sendo uma massagem que consiste em movimentos rítmicos e circulares, com pressões suaves e precisas sobre o trajeto dos vasos linfáticos.

A drenagem linfática é contraindicada em casos de insuficiência renal, infecções agudas, trombose, flebites, tromboflebites, reações alérgicas agudas, problemas de pele não tratados, hipertensão descompensada, hipertireoidismo, pacientes imunodeprimidos e pacientes portadores de tumores no sistema linfático.